REAÇÕES CATASTRÓFICAS

É a expressão usada para descrever o comportamento de uma pessoa com demência quando a situação está acima de sua capacidade de pensar e reagir.  Este comportamento pode ser caracterizado por uma das seguintes reações:

  • Mudança súbita de humor.
  • Choro inconsolável por longos períodos.
  • Raiva e desconfiança crescentes.
  • Aumento da inquietação, com desejo de vaguear pelo ambiente.
  • Agressividade (bater).
  • Preocupação ou tensão.

A pessoa com demência fica tensa, muito critica ou emocionada por demais.  Tudo isto pode advir de uma série de coisas:

  • Terem-lhe feito diversas perguntas ao mesmo tempo, especialmente do tipo “por que”.
  • Sentir-se perdido, inseguro ou deixado para trás.
  • Pequenos acidentes (derrubar o copo).
  • Muitas pessoas estranhas num lugar novo.
  • Programas de TV que a pessoa não consegue acompanhar.
  • Ter sido chamado à atenção ou ter sido contradito.
  • Ambiente barulhento, cheio de gente, com movimentos imprevisíveis que podem ser mal interpretados pela pessoa com demência.
  • Cuidadores tensos, irritados, impacientes ou apressados.
  • Falhar ao executar trabalhos que antes pareciam simples (lavar pratos, amarrar sapatos, etc.).

ESTRATÉGIAS

  • Tente evitar situações que provoquem reações catastróficas.
  • Limite a necessidade de o paciente decidir. Ao invés de perguntar se quer escovar seus dentes, coloque a escova delicadamente na mão, coloque na boca e faça movimentos de escovação.
  • Não faça muitas perguntas ao mesmo tempo.
  • Dê instruções com calma, uma de cada vez. Olhando a pessoa nos olhos.  Mão no seu braço. Repita tranquilamente se for preciso.
  • Faça-o entender que você compreende seu embaraço ou alarme.
  • Procure distraí-lo com algo novo, com calma e olhando bem nos olhos.
  • Nunca restrinja uma pessoa com demência durante uma reação catastrófica. Mexa-se devagar e tente uma distração.
  • Lembre-se que pessoas com demência não são estáveis. O que funciona hoje pode não funcionar amanhã.
  • Paciência e paciência.

Como todas as pessoas com doenças em outras regiões do organismo, o órgão mais vulnerável da pessoa com demência é o cérebro. Não importa qual tenha sido a situação causadora do problema, ambiente ou doença aguda, a pessoa responderá com sintomas de aumento de agitação, confusão crescente ou problemas de comportamento. É como disparar o gatilho de um sistema de raciocínio super carregado.  Eles ficam também com a impulsividade descontrolada.

Pessoas que nunca xingaram começam a dizer palavrões, uma pessoa muito tímida xinga seus entes queridos.  A pessoa perde a capacidade de julgar, não conseguindo avaliar a situação ou prever as consequências de seu comportamento.

Olho no olho, mão tocando o braço levemente, tentando passar tranquilidade e captar o que provocou a reação catastrófica.  Uma distração de algo que a pessoa sempre se interessou deve ajudar e deve estar pronta a ser usada.  Para quem gosta de plantas, mostrar uma flor ou um vaso com planta.  Para quem gosta de fotos, mostrar um livro cheio que imagens.  Para quem gosta de doce, dar um pedaço de bolo ou chocolate.  Para quem gosta de viajar, um álbum cheio que fotos de lugares que a pessoa possa ter visitado.

 

 

Share: