Para os profissionais é difícil classificar os estágios rigorosamente. Esses estágios nos dão um quadro do entendimento da doença e preparam-nos para as mudanças da pessoa com Alzheimer no futuro.  Mas esse padrão não é o mesmo para todas as pessoas.  Lembre-se que uns diferem dos outros. Os estágios às vezes se superpõem.

PRIMEIRO ESTÁGIO (Perda de memória recente afeta o desempenho de atividades).

  • Confusão sobre lugares, perde-se a caminho do trabalho.
  • Perda de espontaneidade, interesse ou pique pela vida.
  • Perda de iniciativa: não consegue começar nada.
  • Mudança de humor e personalidade: ansiedade com relação ao que guarda para si mesmo.
  • Incapacidade de julgar situações: comete erros nas decisões.
  • Trabalhos de rotina são executados mais lentamente.
  • Dificuldade com dinheiro e pagar contas.

Exemplos:

  • O que me disseram para fazer?
  • Esquecimento que contas foram pagas, paga as contas três vezes ou deixa de pagar por três meses.
  • Perde tudo. Esquece a lista do supermercado.
  • Perde a hora de compromissos, vai a eventos nos dias errados e vive verificando a agenda.
  • Parece distante e desinteressada.
  • Esconde objetos, fica irritada facilmente e sai menos.
  • Não consegue discar todos os números de uma ligação telefônica.

 

SEGUNDO ESTÁGIO (Crescente perda de memória e confusão: tempo de atenção mais reduzido).

  • Dificuldade em reconhecer familiares e amigos.
  • Movimentos e falas repetitivas.
  • Agitação, especialmente à tardinha e à noite. Eventualmente pode chorar.
  • Ocasionais tremores musculares ou cacoetes.
  • Alterações de percepção e de ordem motora.
  • Dificuldade em organizar o raciocínio e pensar logicamente.
  • Não consegue encontrar as palavras certas.
  • Dificuldade com leitura, escrita e números.
  • Fica irritada, chorosa, desconfiada, implicante e age bobamente.
  • Não quer tomar banho e tem dificuldade em trocar ou escolher a roupa.
  • Ganha peso e depois o perde.
  • Não reconhece os familiares e amigos.
  • Vê e ouve coisas inexistentes.
  • Tem ideias fixas.
  • Perda de controle da impulsividade.
  • Precisa de supervisão em tempo integral.

Exemplos:

  • Dorme com frequência.
  • Dificuldade em sentar, caminhar ou fazer exercícios (alterações motoras e de percepção).
  • Não consegue encontrar as palavras certas para se expressar. Inventa histórias para explicar o que não consegue dizer.
  • Não consegue escrever seu nome ou somar, diminuir, etc.
  • Desconfiança de tudo. Todo mundo está roubando ou acha que os outros na casa estão escondendo tudo.
  • Não sabe o lugar certo para tirar roupas e não consegue ter modos à mesa.
  • Enorme apetite. Quer comer fora de hora, reclamada que não comeu, e com o tempo perde interesse pela comida.
  • Perda de memória. Não se lembra de visitas no dia seguinte.
  • Falas normais: “Quero ir para casa”, “Esta não é a minha casa”, etc.

 

TERCEIRO ESTÁGIO (Não se reconhece no espelho nem a própria família).

  • Perda de peso, mesmo com boa dieta.
  • Pouca capacidade de tomar conta de si mesmo.
  • Não consegue se comunicar com palavras.
  • Eventualmente põe tudo na boca. Apalpa tudo.
  • Não controla a bexiga e o intestino.
  • Tem dificuldade de engolir.
  • Tem dificuldade de segurar objetos.
  • A pele fica sensível e sujeita a rachaduras.

Exemplos:

  • Precisa de ajuda para tomar banho, vestir, comer e ir ao banheiro.
  • Resmunga, geme e grita.
  • Tenta sugar tudo.
  • Dorme mais.
  • Olha-se no espelho e fala com a própria imagem.

Tudo muito assustador.  As dificuldades virão aos poucos, nada acumulado.  Fácil de vencermos se olharmos a caminhada e virmos que teremos apoio, companheiros de jornada.  “Não estou sozinha”.  E saber procurar esclarecimentos e apoio.

 

 

Share: